sábado, 23 de agosto de 2008

Reverberâncias

Segue abaixo o comentário deixado pelo leitor Laranjinha para o post "Verdade Inconveniente". Eu não sei quem é essa pessoa, mas ela conseguiu complementar o post.

"Somos engolidos pela cultura,
ordenados pelas influências.
Somos os idiotas do capitalismo,
um pedaço de pele dos Estados Unidos.
Uma veia entupida da natureza.
Um escarro de plástico.
Arrotamos as coisas suavemente para estarmos entiquetados.
Estamos tussindo,
Estamos engasgando...
Mas continuamos porque queremos.
Vamos ensinar aos nossos filhos o que é ser civilizado, para ele ser um normal.
Se alguem teve a ideia de fazer esse quadro, é pq está sentindo a tosse.
A ironia vai ganhar o mundo!"

21 comentários:

Gabriel disse...

Por que que todo mundo acha que os EUA inventaram o capitalismo?

Anônimo disse...

pq eles q "venderam" um capitalismo intensificado pro mundo... guerra fria.

renata gerbai disse...

não sei mas o consumismo pelo menos eu tenho certeza de que foram eles...

rafa disse...

Adorei o reverb do amigo Laranjinha...

Gabriel disse...

ninguém 'vendeu' nada pra ninguém...as coisas são compradas, não vendidas...é impressionante quanta responsabilidade do que de fato acontece no Brasil e no mundo vai nessa de que um país estúpido (como o nosso) difunde o capitalismo - quando é o contrário: é o capitalismo que difunde a idéia de 'super potência', de 'guerra fria', de 'subversão'...

quanto mais se pensa em combater o sistema, em falar mal de macdonalds e etc, mais se afirma que é isso mesmo. não existe capitalismo demais no mundo, existe capitalismo de menos. essa coisa de 'abaixo EUA' é uma opção irresponsável perto do que se pode fazer como brasileiro.

Gabriel disse...

ah, tudo o que pode ser um slogan de camiseta - normalmente um dizer revolucionário, contra o sistema, contra mcdonalds, contra consumismo, contra etc etc etc - tudo isso pode ser vendido igualzinho ao big mac que vcs nao gostam.

Raoni disse...

"(...) as coisas não acontecem por simples acidente ou motivos fora do nosso controle. Até mesmo aquilo que não pretendemos que aconteça pode ser previsto e quanto mais pudermos prever, mais nos tornamos responsáveis por sua ocorrência. Se juízes e advogados preocupam-se, sobretudo, em imputar responsabilidade pelo cometimento de atos específicos, os intelectuais se dedicam à tarefa secundária de atribuir responsabilidade à permissão por tipos de ação. Do ponto de vista da ética, essa preocupação chama-se responsabilidade negativa - isto é, a responsabilidade pelo que não se fez, mas que deveria ter sido feito. Lá pelo final do século XVIII, uma citação apócrifa atribuída ao político Edmund Burke (...), começa por resumir este alto senso de vigilância: 'Tudo o que é preciso para que o mal triunfe é que os homens de bem nada façam'."

O intelectual, Steve Fuller

Gabriel disse...

"...contanto que existam homens de bem."

Raoni disse...

"Um importante ensinamento sofista é que as pessoas cometem erros de pensamento e de ação por não terem clareza quanto a seus objetivos e, portanto, não conseguirem encontrar os meios para atingi-los. Quando Protágoras enunciou o famoso pensamento: "o homem é a medida de todas as coisas", quis dizer que nós mesmos, em última instância, determinamos o princípio pelo qual os outros nos julgarão."

Gabriel disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Gabriel disse...

Cara, não estou entendendo o sentido dessas suas citações...não é claro de que forma se relacionam com o assunto.

Raoni disse...

é simples: em minha opinião, não se trata de tomar um posição contra ou a favor do capitalismo. Defender o capitalismo sem levar em conta o poder destrutivo da contenção do fluxo de capital nas mãos de poucos me parece no mínimo irresponsável, da mesma forma que endemonizar o sistema de produção sem pensar que todo o sistema é bem mais complexo do que simplesmente estigmatizar a economia e a cultura.
Portanto, o que é preciso pensar é que tanto o sistema capitalista quanto qualquer outro que já tenha existido ou que há de vir terá sempre prós e contras.
Não foram os EUA que inventaram o capitalismo. As populações primitivas já trocavam produtos entre si e isso pode ser considarado uma forma de capitalismo menor. Mas os EUA que no início século passado expandiram seu sistema de produção atingindo diversos países e influenciando diversas culturas.
Esse é um processo econômico que pode ser comparado às expansões mercantis dos Europeus. É preciso lembrar que o Brasil é o resultado de diversas culturas, e que, inclusive, cultura pressupõe movimento e modificação. Cultura não é algo parado e inviolável, ao contrário, cultura é um conjunto de valores e conhecimento numa sociedade que pressupõe troca e, por isso, movimento.
É preciso então observar que o paradoxo está presente de diversas formas na nossa sociedade e na nossa vida e, por isso, ficar atento ao conjunto de valores éticos que você, como indivíduo, constroí durante sua vida, e não deixar se corromper com valores discordantes, nem mesmo quando o capital é colocado em jogo como subterfúgio para tal.

Cris Chevriet disse...

belo tiro , remo!!! Beijo de fã!!

Facchinetti. disse...

Vendo, lendo, revendo, pensando...

Ticiana Flarys disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Ticiana Flarys disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Ticiana Flarys disse...

oi querido!!! vim dar uma passadinha aqui, vim conhecer...adorei ;)depois dá uma olhadinha no meu blogue também...

agora sobre os comentários...
gente, o mundo é hipocrita demais, não tem saida. Não adianta tomar partido de nada, porque tudo muda o tempo todo. As coisas tem sempre vários lados, todos se contradizem muito e a falta de informação e clareza é enorme...
A coca-cola, por exemplo. milhões de pessoas falam que não vão compra-la porque não querem dar incentivo ao capitalismo abusivo e etc...mas a coca cola agora comprou o mate leão, e tá cheio de gente que nem sabe disso e bebe mate alegando não beber coca. Acham o mate leão brasileirissimo! Mas, ele realmente não deixa de ser. A coca vende até agua! Não temos mais controle de nada, galera...não podemos mais saber o que vem da onde ou vai pra onde e como ou por que...
Não quero ser nenhuma acomodada e muito menos uma pessoa sem ideal, mas radicalismo hoje em dia não existe! temos que fazer a nossa parte dentro do possivel, isso sim. Tentar descobrir a melhor forma de se ter qualidade de vida (sem esquecer de pensar no coletivo). E para isso é necessário buscar informação sempre. ignorância é nosso grande mal.

Raoni disse...

Eu discordo. Generalizar a afirmação de que "o mundo é hipócrita" é o mesmo que afirmar que não há possibilidades de desenvolver ações em relação à isso. Essa afirmação, na verdade, é comôda: "o mundo é hipócrita, logo não há o que fazer", quando, em minha opinião, o correto seria afirmar que "o mundo também é hipócrita, e logo podemos agir de maneira diferente em relação à isso". Na verdade, não concordo que os diversos pontos de vista se contradizem, mas creio que na verdade eles se complementam: o capitalismo pode ser selvagem, como poderia ser mais humano.
Discordo também da afirmação de que não temos o controle de nada. Pelo contrário, acho que temos o domínio de tudo, não do sistema produtivo (coletivo) em si mas de nossas próprias vidas, o que, em última instância, é o definidor da nossa relação com o mundo.
O trabalho do intelectual é como o de uma lente de aumento, deve trazer à tona os problemas de cada idéia, fato ou opinião. Nem sempre deve se tomar partido quando não se está totalmente convicto de uma idéia, mas o intelectual também não deve se ausentar da opinião porque "tudo muda".

Raoni disse...

retificando: cômoda.

Em tempo:

Com o tempo, o indivíduo constroí alguns valores éticos que norteiam suas ações e que podem ou não se modificar. Sem esses valores, é como viver em pleno abandonado, ou ainda cercado de amigos mas se sentir sozinho. Nossas idéias e valores morais são coisas que construímos no decorrer da vida, e que nem sempre mudam, ao contrário, às vezes se fortalecem com o tempo.

Ticiana Flarys disse...

nenhum momento eu disse que devemos nos acomodar e ficar parados. em nenhum momento eu disse que não ha o que fazer! Agora, uma coisa é certa; a hipocrisia nunca morrerá. A sociedade é hipocrita o tempo todo. Tanto eu como você (raoni) já tivemos os nosso momentos. Somos humanos. E é nessa história de ser um humano que mora o perigo; é onde tem o ego, a vaidade, a vontade de poder, e por aí vai. Acho ótimo discursos revolucionários onde muitos tentam alertar a mediocridade que nos cerca, mas não posso deixar de ser realista e saber que apesar da tentativa, sempre haverá um filha da puta, sempre. Não sou contra ações em pró da concentização, quero mais é que isso aconteça, que as pessoas façam a sua parte e respeitem. Agora, são exatamente essas mesmas pessoas que muitas vezes se contradizem. E era isso que eu queria alertar.
você (raoni) disse que temos o controle. Mas só temos o controle de nós mesmos. Não podemos ser individualistas, vivemos em sociedade. a sociedade é enorme perante ao nosso simples ser...como ter controle da sociedade? impossível. somos influenciados por tudo a nossa volta, não podemos nos fechar numa bolha e dizer que temos controle. Você escolhe seu presidente? não, é a sociedade. você sabe pra onde vai o dinheiro que vc paga? vc sabe se vai ser assaltado na esquina? não sabe. não tem controle. vc sabe quem produz o que vc compra? vc sabe o que vc realmente come? não sabe.
Acredito em mudanças sim e acho que devemos lutar por elas sempre. Tenho minhas teorias, minhas idéias e minhas escolhas, mas nunca esqueço da famosa frase "eu prefiro ser essa metamorfose ambulante, do que ter aquela velha opinão formada sobre tudo"
porque afinal, é preciso estar sempre alerta e informado pro novo. Se a gente se prender a valores cegamente, nos limitados. Sei que temos nossa essencia, nossa raiz, é importante isso, não podemos perder...mas também temos que aprender a se expandir...sair da bolha e dos discursos decorados

Remo disse...

Quando o capitalismo se afirmou, a sociedade vivia uma época de mudanças. Hoje, alguns séculos depois, vivemos uma mudança de época. Portanto, a questão mais propícia passou a ser se este modus vivendi e operandi se sustentará daqui pra frente, até quando e como vai ser isso. Não estamos mais à beira do colapso, já caímos nele e tentar forjar normalidade é mentir para si próprio e para seus filhos. Os recursos naturais não suportam mais a nossa demanda. Somos 6,5 bilhões no planeta, tem gente com fome, tem gente com muita fome e tem gente morrendo de fome neste exato momento. Criticar Mcdonalds e Coca-Cola é a mesma postura de quem dá esmola pra mendigo e acha que está fazendo a sua parte. A normalidade é um termo que perdeu o sentido, assim como a maioria das coisas, inclusive a discussão gerada pelo comentário do Laranjinha. Vamos redirecionar nosso olhar para o imediato. Para o a partir de agore. Para o urgente. Estamos em risco de desaparecimento e, novamente eu repito, a normalidade é falsa. O colapso é real. Assim como, infelizmente, ter que ligar a merda da tevê para conseguir pegar no sono.